PEDIDOS INUSITADOS

Pe. José Felippe Netto



Certa noite de dezembro, quando pensei que o expediente terminara, ouvi palmas e um chamado: “Padre”.
Dirigi-me ao portão pensando ser alguém a convidar-me para o baile do Havaí, que se realizava no clube.
Enganei- me.

Tratava-se de um andarilho solicitando ajuda. Comida? Não! Dinheiro? Não! Pediu-me nada mais que um
violão! Acredita? Um violão! Que eu o presenteasse com um violão! Expliquei-lhe que os violões usados na igreja
são de propriedade das pessoas que os usam e que os levam para suas casas após as celebrações.

Você deve estar com tanta curiosidade quanto eu tive para saber, afinal, porque um violão. Contou-me
que estava indo a São Paulo passar o natal com sua família e, em suas paradas em bares, cantaria acompanhando-se
ao violão e assim conseguiria dinheiro para viajar.

Como não teve seu pedido atendido conformou-se com uma ajuda em dinheiro e um copo com água. Após a
partida fiquei imaginando como seria a viagem. Saberia, realmente, cantar e tocar violão? Ou tentaria vender o
instrumento para lucrar algum dinheiro? E se soubesse cantar e tocar, haveria público?

Onde estará o nobre seresteiro? Terá realmente família? Conseguiu encontrá-la? Chegou a tempo para a ceia
natalina? Tomou um banho? Foi aceito ou rejeitado? Cantou para a família? Foi aplaudido ou vaiado? Após o natal
continuou com a família ou retornou?

Alguns dias após, um segundo andarilho solicitou-me uma bicicleta. Você leu certo: bi-ci-cleta!
Parece piada, mas é a pura realidade. Ele disse possuir uma, que lhe foi roubada. Onde adquiriu a tal “magrela”?
Com que dinheiro, se vive de esmolas? Teria sido presenteado?

Responda: por acaso tenho “cara” de Papai Noel? Sou proprietário de loja? “É o fim da picada”, como
diz o profeta. Se eu atendesse ao pedido ele passaria da categoria de “pedestre” para a de “ciclista”.
Seria um progresso.

Mas... alguém lhe daria ajuda? Alguém acreditaria que é necessitado? Poderia fazer malabarismos para
ganhar alguns trocados. Engraçado, ninguém procura um quintal para capinar ou solicita uma enxada “Duas Caras”! O
sol é muito quente. Melhor pegar uma praia ou piscina. Estou aguardando ansiosamente a chegada de um terceiro
pedinte que, certamente, solicitará um “fusca”. São histórias que a vida nos conta.