O Papel da Mídia no Mundo de Hoje


Vera R. Pompeu
 


Interessante observar que a impunidade traz consigo um prepotente escárnio, um menosprezo pelo povo, pelos cidadãos honestos, de como quem não se envergonha do que faz, isto é, do que rouba e corrompe, vangloriando-se de sua esperteza em saber e poder tirar vantagens, deixando seus eleitores envergonhados dos votos que lhe deram!
Estamos vivendo uma época, que não começou hoje nem ontem, de descrença total em nossas instituições. Políticos corruptos que sabem usufruir privilégios e riqueza de seus cargos e em todas as situações. Velhacos com anos de safadezas, fizeram pós-graduação, mestrado e se tornaram doutores na arte de enganar e surrupiar.
A China nos dá uma grande lição com relação aos corruptos. Pena de morte! Não precisaríamos chegar a tanto, bastaria trancafiá-los em prisões seguras, após o confisco de seus bens. Qual a razão dos tidos e havidos como políticos de bem que não se manifestam contra atos ilícitos dos que ficam impunes? Será que todos têm “telhado de vidro”?
Um representante do povo teria que dar exemplos de retidão de caráter e não agindo visando interesses pessoais e cooperando para a desmoralização do Congresso Nacional? Tipos assim estão conspurcando a vida pública do País!
Na verdade, ou por medo ou por falta de coragem, a maioria dos parlamentares se recusa a levantar a bandeira da moralidade, permitindo que os corruptos permaneçam firmes em seus cargos. Isto nos leva a pensar que todos eles têm “rabo preso”!
Muito embora, o povo, que sofre as amarguras da miséria, não tome ciência da politicagem indecente que desmoraliza e causa imensos prejuízos à Nação, nós, cidadãos conscientizados temos que louvar o trabalho de informação da “Mídia”, que enobrece e engrandece o regime democrático, desde que seja um jornalismo útil e que ajude na tomada de decisões, segundo nos esclarece o competentíssimo Carlos Alberto Di Franco.
Uma das muitas pragas que causam enormes prejuízos à vida política nacional é, sem dúvida, o “tráfico de influência” que acarreta o desmoronamento da ética que deveria imperar na vida política de um regime democrático.
Enquanto os nossos parlamentares e demais representantes políticos forem eleitos, sendo respaldados pela “ignorância do voto comprado’ com ‘bolsa família’ e ‘cestas básicas’, não teremos a moralização nas eleições de candidatos que se preocupam em recorrer a lobistas e empreiteiras. É o que acontece!


14 de julho-2007
Taquaritinga