O Papa Bento XVI

                                                                  Vera R. Pompeu

 

Após a Encíclica “Deus Caritas Est”, O Santo Padre, o Papa Bento XVI, adquiriu um grande prestígio. Nessa encíclica, principalmente por estarmos vivendo num mundo de ódios exacerbados, guerras, preconceitos, muita violência, ele propõe a importância do amor. Seu antecessor no nome, Bento XV, foi chamado o arauto da paz, propondo durante a primeira guerra mundial, de maneira sumamente exaustiva, o fim do conflito.

Hoje em dia, tanto ateus quanto os que acreditam em Deus vivem numa realidade onde é grande a permissividade, onde falta ética no relacionamento humano e sobra ganância e espírito materialista, muitos desejam viver o momento presente, sem responsabilidades, importando viver uma felicidade momentânea, sem assumir compromissos.

Bento XVI tem por meta mostrar a importância da família, sua valorização, como também, valorizar a vida, o amor e a paz entre os homens. Hoje, infelizmente, predomina o desamor, a disseminação das drogas, dos vícios, a falta de solidariedade. Sobressai no mundo de hoje a sordidez de governos demagógicos, a violência e o desrespeito à vida, implantados estes através do terrorismo.

Nesse mundo conturbado eis que surge a voz de quem propõe a paz, o diálogo, o respeito mútuo entre os homens, exaltando a necessidade de se darem as mãos, eliminando as famigeradas desigualdades sociais e econômicas.

É necessário renunciar ao egoísmo, às mesquinhas ambições e aprender a dar de si para o bem de todos, acabando com a vida miserável da maioria, com a educação deficitária, com um sistema de saúde que deixa de corresponder aos anseios do povo. Entre os sagrados e legítimos direitos do ser humano está o de ter um teto onde se abrigar, de ter um prato de comida no dia-a-dia a fim de sobreviver!

Para nosso regozijo, Bento XVI vem canonizar o primeiro santo no País, Frei Galvão, sobressaindo a fé de nosso povo, mostrando o verdadeiro sentido do ser cristão, honrando a sua crença, saber distinguir o certo do errado, ter a ética por meta, seja um homem do povo, letrado, um político ou cidadão.

As leis existem para serem respeitadas, a crença existe para ser testemunhada, o cidadão existe para viver num clima de respeito e fraternidade. É preciso que se evite o ateísmo, a promiscuidade, é preciso crer em Deus e num futuro mais pacífico e menos turbulento!

A visita de Bento XVI é importante não só para os católicos, mas para todos os outros, mesmo de outras religiões, pela mensagem que traz, pela sua linguagem que atinge jovens e adultos, crianças e idosos, pela sua coragem em condenar os ídolos de tantos, o dinheiro, o poder sem medidas, o ódio, o consumismo, o materialismo e a indiferença para com os pobres e humildes.

Direitos Autorais Reservados