NOS BRAÇOS DA MÃE

Vera Pompeu

(Maria em nossa vida)


Maria, Mãe de Deus, Rogai por nós

 



Vamos neste mês refletir sobre a importância de Maria em nossa vida. Vamos redescobrir a presença de Maria em nossa vida cristã, sobretudo como Mãe amorosa. É indiscutível a prioridade absoluta de Cristo como mediador. Ele é o único mediador entre os homens e Deus. Não queremos colocar Maria no lugar do seu Filho. Antes, queremos ressaltar que a nossa salvação vem do valor infinito da vida de Cristo, oferecida em sacrifício no altar da Cruz.
Desde o momento em que Maria respondeu SIM à proposta de DEUS, que a convidava a se associar à obra da redenção do mundo, que seria realizada por Deus feito Homem, ela permaneceu ligada a seu Filho. Jesus, para se encarnar, para se fazer igual a nós assumindo a nossa carne, a nossa frágil natureza humana, precisava de uma mãe e escolheu Maria.
Maria aceitou ser Mãe de Jesus e, ao aceitar, respondeu com generosidade plena e liberdade total. Comprometeu-se definitivamente com a obra da salvação, assumindo todas as conseqüências que esse ato implicava.
Não foi mais possível separar a Mãe do Filho. Estiveram juntos em Belém, na fuga para o Egito, durante a vida em Nazaré, em Cafarnaum, em Cana. Talvez tenham se separado fisicamente durante os anos de peregrinação apostólica de Jesus.
Certamente Maria o acompanhou só de longe e estiveram juntos, também, no Calvário. Quando Cristo entregou Maria à humanidade inteira representada por João, Ela e a Igreja permaneceram inseparáveis.
Hoje todos nós acreditamos que Maria é a melhor intercessora, a co-Redentora, a Mãe amorosa de todos nós, a mais compreensiva, a mais amável. Não podemos pensar em Jesus sem Maria, como não dá para pensar no filho sem a mãe.
Por isso dizemos que o mês de maio é rico em reflexões que podem e devem alimentar a vida espiritual e apostólica de cada um de nós. É o mês de Maria, a mãe de Cristo, da Igreja e de cada um de nós. Duas festas litúrgicas importantes acontecem no mês de maio: A Ascensão de Jesus e a visitação de Maria a sua prima Santa Isabel.
Eis o mandato sagrado que Jesus nos deixou, no dia da Ascensão, ao regressar ao Pai: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura, a todas as nações” (Mc 16,15).
Assim falando, na hora da sua despedida, Jesus encerrou o ciclo da sua vida, aqui na terra: “Vim do Pai, desci ao mundo; saio do mundo e volto para o Pai”.
O projeto da missão de Cristo na terra estava realizado. As raízes estavam lançadas: a implantação de um reino espiritual aqui na terra. Como devotos do Sagrado Coração de Jesus, temos como missão específica duas frentes: oração e apostolado. Vale a pena rezar diariamente: “Senhor, que eu tenha as mãos de Marta e o coração de Maria”.
Um automóvel não anda sem gasolina, sem álcool, sem combustível; assim, a oração e a vida sacramental são o combustível que abastece e revigora nosso espírito cristão e apostólico. A eucaristia, acima de tudo. A eucaristia, pão dos fortes, saúde dos enfermos, arrimo dos que vacilam, luz em nossa caminhada.

Oremos

Maria, Mãe de Deus, estrela da nova evangelização, abençoai hoje e sempre nosso apostolado, ajuda-nos a compreender e a viver mais a nossa fé
Amém, Jesus; Amém, Maria.
 

 

Respeite os Direitos Autorais