24 de dezembro -Dia do orfão

 



Eu jamais esquecerei aquele dia.

Mesmo que eu tentasse,ou a memória me traísse.

Bastaria olhar para Lua...e teria todas as lembranças de volta.

Eu olhava para a lua cheia,enquanto te esperava.

Todos os outros garotos já tinham ido,só eu continuava esperando.

No Natal passado fiquei com uma família que me deu muitos presentes,mas naquele ano ,parecia que eu seria o

 único a ficar no orfanato.

Quando olhei para a lua,eu queria acreditar que alguém chegaria,mas dentro de mim,meu coração se

 apertava,perguntando o que teria acontecido.

Foi neste instante que você chegou.

Um cara meio atrapalhado e afobado.

Confesso que isto me preocupou,mas eu queria tanto passar o natal com uma família,que na mesma hora agradeci a DEUS.

Você sorriu,se desculpou pelo atraso,pegou minha maleta e fomos para o carro.

Quando entrei no carro,você apertou o cinto de segurança em mim e deu a partida.

Quando o carro parou ,uma bela mulher nos esperava a frente de uma grande bonita casa.

Ela me desejou boa noite,com um lindo sorriso e me levou para dentro,enquanto você ,vinha logo atrás trazendo a minha

 pequena mala.

Ao entrar ,atravessamos rapidamente um corredor,subimos a escada e chegamos a um enorme quarto,com uma única cama
.
Ela me mostrou o armário,que tinha várias roupas e o banheiro.

Você pôs minha ia muitas pessoas sobre a cama.

Ela me deu sua mão e me levou para a grande sala,onde havia muitas pessoas.

Corri os olhos,pelo salão,procurando crianças,mas não vi nenhuma.

Fui apresentado a todos,que cumprimentei educadamente.

Depois,você me levou para perto da maravilhosa Árvore de Natal,toda colorida e bem iluminada.

Além de observar a árvore,continuei procurando por alguma criança,mas logo ouvi você dizer,que ali havia presentes para

 todos e alguns para mim...

Mas ela se aproximou e me deu um enorme envelope.

Abri,achando ser um cartão de natal.

Quando acabei de ler comecei a chorar.

Corri para os teus braços e ela quase não contendo as lágrimas,também me abraçou.

Não era um cartão de natal,era um documento de Adoção.

Você era agora o me pai e ela a minha mãe.



 Celso Condurú Andrette